E eu com isso?

ignorar

Você acorda com o barulho da campainha. É seu vizinho, pedindo pra você descer um pouco o carro que ficou levemente em frente o portão dele. Você se pergunta “e eu com isso?” e ele responde que precisa ir trabalhar. Você cita meia dúzia de palavras torpes em seus pensamentos, afinal foi só um dedinho a mais, dava pra ele sair.

Tudo bem. Você decide ir até a esquina comprar pães para tomar seu café. Logo na porta de venda, um garoto te para pedindo moeda. Você diz que não tem, ele diz que tem fome. Você se pergunta “e eu com isso?” e finge não ouvir a insistência do moleque.

Já em seu conforto, abre o jornal para acompanhar o café. As notícias são sobre alta do dólar, aumento do desemprego, educação precária, péssimo atendimento no SUS e aumento de tarifa no transporte pública. Você se pergunta “e eu com isso?”, afinal, está num bom emprego, continua comprando à vontade, já terminou os estudos (em excelentes instituições, diga-se de passagem), não utiliza do SUS nem o transporte público.

O problema dos outros não te interessa. “Cada um com seus problemas”, pensa.

Ok. Chega no trabalho e logo recebe um recado de seu gestor: “precisamos conversar”. Ao entrar na sala dele, começa a ouvir que a empresa decidiu cortar gastos, a crise chegou e as coisas começaram a apertar. Pergunta “e eu com isso?” e a resposta é que você faz parte dessas mudanças, está demitido.

Você vai ao banco receber o que lhe resta e é informado que, devido a sua atual situação e futura renda mensal, o financiamento de seu automóvel foi cancelado. Pergunta “e eu com isso?” e a resposta é que não poderá mais ficar com o carro.

Obrigado a utilizar um transporte público, separa a quantia da passagem. O cobrador recusa, dizendo que há algo errado. Pergunta “e eu com isso?” e eles responde que o valor da passagem aumentou, e você não pode lhe entregar a quantia anterior.

Em casa, sua esposa anuncia que precisa de alguns itens do supermercado. Você pergunta “e eu com isso?” e ela diz que está tudo muito caro, agora ainda mais, com o seu desemprego.

Você a culpa por te estressar. Explica que teve um dia cheio, horrível, repleto de más notícias. Um dia verdadeiramente difícil e ela ainda vem lhe atormentar. E ela pergunta: “e eu com isso? Cada um, com seus problemas!”

Jayane Condulo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s