Cristãos x Cracolândia: onde a Igreja estava enquanto Dória atuava?

Por Jayane Condulo

9tnh9qwdw9vsnydhs1txsm5gq

Era uma manhã de domingo quando o burburinho começou.  Antes mesmo do relógio pontuar 7h, o barulho de bombas acordava os moradores da região e surpreendia os desavisados no local.

Há quase três semanas, quase não se fala em outra coisa que não seja a ação policial  curta e grossa  na Cracolândia de São Paulo, sob o comando do atual prefeito João Dória. Desde então, as redes sociais dos brasileiros, como um todo, foram tomadas por postagens sobre o assunto, exibindo críticas das mais variadas e até mesmo contestáveis. Inclusive em perfis cristãos.

Enquanto vários religiosos alimentavam suas páginas no Facebook com opiniões aparentemente formadas e concretas, um grupo muito peculiar trabalhava arduamente para tentar sanar o problema da Cracolândia.

A Missão Batista Cristolândia atua há 8 anos na região resgatando pessoas em situação de rua e dependência química. Os atendidos recebem alimentação, corte de cabelo, banho e roupas. Aqueles que expressam o desejo de deixar o vício, passam por uma triagem social, jurídica e de saúde, e, de acordo com a disponibilidade de vagas, são encaminhados para os abrigos da organização.

O projeto hoje conta com 37 unidades em 8 estados do país, e possui atualmente mais de mil dependentes abrigados. Além disso, atendem diariamente cerca de 400 pessoas na Cracolândia com seus serviços. Na Cristolândias, os alunos estudam violão, tambor, tamborim, bumbo, pandeiro, triângulo, bateria, canto coral e teclado. Para que todos os trabalhos sejam oferecidos gratuitamente, o movimento conta com doações, ofertas e parcerias para o sustento dos missionários e profissionais que atuam no programa.

E não para por aí. Em maio de 2015 foi inaugurada a Cristolândia Criança, uma ação  que surgiu a partir de um ofício encaminhado aos batistas pela Vara de Infância e Juventude de Guarulhos, solicitando a implantação de uma unidade para reabilitação de crianças e adolescentes usuários de drogas no município. No programa, as crianças usuárias de drogas são encaminhadas para medida de acolhimento e também acompanhadas pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da instituição.

Além da Missão Batista Cristolândia, a reportagem Igrejas atuam onde Estado não pisa para atender usuários na Cracolândia, do jornal Folha de S. Paulo, relata ainda outros grupos cristãos, de católicos e protestantes, que operam de maneira determinada e bem planejada no resgate e cuidados a dependentes químicos.

Do outro lado, Dória atua ao mesmo tempo em que atropela todos os processos, sem saber bem o que fazer. A ação no local, inicialmente, seria do Governo do Estado, contando inclusive com a supervisão em tempo real de Geraldo Alckmin. O que ocorreu, porém, foi que o gestor da cidade roubou a cena visitando o local, divulgando um vídeo em seu Facebook e adotando um discurso mais ousado que do governador. Sem realizar quaisquer pesquisas prévias, planejamento e/ou estratégias futuras, o prefeito declarou: a Cracolândia acabou!

A ação foi feita sem que equipes municipais de assistência social e de saúde estivessem preparadas. Agora, João Dória negocia a saída de moradores de um albergue na Praça Princesa Isabel para que possa abrigar os dependentes químicos em situação de rua. Enquanto isso, cristãos continuam a agir de forma clara e eficaz na Cracolândia, dispostos a auxiliarem não apenas o Estado, mas o Reino.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s