PARCERIA

O sorriso de um olhar

felizesSou apaixonado por sorriso.

Não este que estás a pensar, de dentes brancos e perfeitos. Falo de um sorriso que transmite felicidade, amigo leitor. Um bem-estar contagiante, irradiado despretensiosamente.

E o que me dizes do olhar?

Ele sempre me intriga com o seu “dizer-e-não-dizer”. Capaz de pronunciar o que palavras não se atrevem a transmitir. E como falam! Cabendo somente a um exímio leitor o poder de interpretar seus dizeres.

Agora, pegue esse sorriso contagiante e misture com o olhar mais falador que conhece.

Gostou do resultado? É certo que sim!

Ei! Psiu! Já pode voltar pra cá novamente. Só um pouquinho, preste atenção aqui. Já vou terminar.

Vou descrever o que eu vi: pequenas rugas no canto do olhar causadas por um sorriso enraizado no coração, na alma.

Sabe o que é isso, amigo? Isso acontece quando se sorri com os olhos. Você já deve ter visto um desses por ai. E por sorte, ter sido vitimado por seu fascínio.

O sorriso contagia. O olhar me intriga.

Mas é só unir os dois que o resultado é inevitável e previsível. Me invadem de certa forma que não me resta alternativas a não ser me render e sorrir para eles.

— Felipe Nascimento


Uma parceria de O Guia Cristão com o Rotineiras.

Anúncios

Rock cristão?

diadorock13 de julho é comemorado o Dia do Rock, e nossa parceria com O Guia Cristão preparou uma matéria super especial pra comemorar a data.

Confira abaixo!


“Nos galhos secos de uma árvore qualquer, onde ninguém jamais pudesse imaginar, o Criador vê uma flor a brotar”… era assim que a Banda Exodos [sem acento mesmo]  cantava e tocava o seu rock nas escolas dominicais da Igreja Batista do bairro Vila Bonilha, na cidade de São Paulo, em 1970. “Galhos Secos”, regravada por tantos, é uma composição dos irmãos Osny e Osvair Agreste, componentes da primeira banda brasileira de rock cristão.

O grupo formado por Edson, Eli, Nelson, Osny e Osvair, começou a se apresentar em sua igreja local usando dois violões e uma bateria velha, mas com apoio de amigos e alguns poucos membros da igreja compraram novos instrumentos, amadureceram o som e começaram a tocar  em outras denominações, festivais e praça públicas, apresentando uma nova forma de adoração que fugia dos hinos tradicionais, mesmo que ainda fosse um rock de “som maneiro”, como eles próprios denominaram.

Mas nem tudo foi bem aceito. O Rock era um estilo de música não tradicional em templos evangélicos da época e pressões por parte dos vizinhos do templo, líderes e membros de igrejas contrários àquele tipo de adoração fizeram que a Exodos encerrassem as atividades em 1977, com apenas 7 anos de duração, sem nenhum álbum gravado, apesar das mais de 50 composições.

O som sujo da guitarra e a barulheira da bateria do agora chamado “rock pauleira” não eram bem visto em um tempo em que a Igreja exercia um papel de implementadora da moral na sociedade e em um período de repressão ditatorial. O Ato Institucional 5 reforçava justamente esse papel da igreja e na época o rock secular fazia justamente um movimento contra o governo ditatorial, obtendo um tom de rebeldia.

Depois que uma vizinha do templo Batista ameaçou dar queixa na polícia por se incomodar com o som dos meninos do Exodos, o pastor Samuel de Andrade teve que convidá-los a finalizarem a banda, o que de fato ocorreu. “Para os que faziam oposição ao pastor e ao nosso conjunto, essa fato caiu como uma luva, agora tinham motivo. Inflamados em uma reunião diziam: “fora com esses rebeldes, fora com o Exodos”, disseram os integrantes em uma entrevista ao Arquivo Gospel, em 2005. O caso chegou a ser matéria da revista VEJA (clique nos links para acessar as fontes).

O que talvez nossos irmãos da época não tinham conhecimento é que o Rock cristão nascera há uma década atrás nos Estados Unidos em um movimento de contracultura ao modo Hippie de viver. O movimento hippiepregava uma vida desregrada de sexo e drogas muito aderida pelos jovens da época, e foi com o Jesus Movement que pode-se oferecer àqueles jovens uma perspectiva de vida cristã.

Larry Norman, um dos líderes do Jesus Movement, que hoje é considerado o pai do Rock Cristão, compôs uma canção chamada Why Should The Devil Have All The Good Music (Por que o diabo tem que ficar com toda boa música?)em 1972, parafraseando Martinho Lutero que chegou a questionar “por que o demônio deve ficar com os melhores tons?” ainda no século XVI, quando se acreditava que determinados tons musicais eram incompatíveis com o culto cristão.


I’ve been filled, I feel okay [Eu tenho sido preenchido, eu me sinto bem]

Jesus is the rock and he rolled my blues [Jesus é a rocha e rolou [cortou/cessou] minha tristeza]

Em Why Should The Devil Have All The Good Music, Larry Norman faz trocadilho com a expressão rock’n roll


Nas décadas seguintes, a aceitação do ‘novo’ estilo foi se tornando realidade e se consolidou a partir do final dos anos 80 e início da década de 90. Aqui no Brasil é fácil lembrar de alguns nomes como Fruto Sagrado, Novo Som, Katsbarnea, Catedral, Oficina G3, Resgate, Palavrantiga, Khorus e Rodolfo Abrantes.

Em sua história, o Rock adquiriu vestes de protesto contra o sistema, de revolta, rendendo-lhe muitas críticas.  Mesmo assim, nada melhor que uma música que procura o novo, falar sobre a Boa Nova que traz vida a todos aqueles que a anseiam.

Hoje, em seus diversos formatos, o rock se tornou o principal gênero musical no meio cristão. Bandas e cantores internacionais influenciam fortemente a produção nacional (Hillsong United e Jesus Culture, por exemplo) e até mesmo aqueles que até alguns anos atrás produziam arranjos orquestrais em seus álbuns, hoje não abrem mão do sonido da guitarra (compare os álbuns atuais e antigos do Leonardo Gonçalves).

Olhando assim, parece mesmo que de um galho seco de uma árvore qualquer, onde ninguém jamais pudesse imaginar, o Criador fez o Rock brotar.

Por: Felipe Nascimento (O Guia Cristão)

O guia musical

downloadEm comemoração ao Dia Internacional da Voz (16 de abril), o Rotineiras em parceria com O Guia Cristão preparou uma matéria baseada na seguinte questão: qual é a maior voz da música cristã brasileira?

Podemos considerar a técnica, a história, o estilo musical e inúmeras outras características que são relevantes na hora de escolher que voz escutar. De fato é dificílimo cravar uma resposta. Tudo depende do gosto de cada um.

Para que entremos num acordo, o Guia traz uma lista para que você avalie considerando técnica, alcance das produções e a bagagem histórica. Certamente faltará alguém. O que não representa algo negativo. Bom mesmo é termos tantas vozes espetaculares para ouvir.

Leonardo Gonçalves

É impossível falar de voz e não citar aquele que é presença certa na playlist nossa de cada dia e considerado por muitos a maior voz masculina de todos os tempos no meio cristão. Leonardo Gonçalves nasceu no meio musical. Seu pai foi barítono do quarteto do Arautos do Rei [da igreja Adventista do Sétimo Dia] e aos sete anos ele já estudava Viola de Gamba no monastério de Lune, na cidade de Lunenberg, Alemanha. Aliás, ele só veio para o Brasil aos 15 anos, que foi quando ele começou a cantar no Coral Jovem do IASP de Hortolândia e no grupo Tom de Vida. Já adulto, Leo se destacou no grupo Novo Tom e logo gravou seu primeiro disco solo “Poemas e Canções” em 2002. Ele é casado com Daniela Araújo, uma das vozes do momento e que poderia estar tranquilamente nessa lista.

Ao falarmos em técnica vocal lembramos logo dos corais, grupos, quartetos, quintetos, x-tetos que renderam grandes vozes. Puxando da memória, além do Leonardo G. e a Daniela A. que eclodiram no conjunto do Novo Tom, temos Sérgio Saas [Raiz Coral], Melk Villar, Jéssica Augusto [Coral Resgate], entre outros.

Aline Barros

Aline Barros é vencedoras de três Grammys Latinos [2011, 2012 e 2014] e intérprete das canções mais cantadas nas igrejas pentecostais. No Facebook, a cantora tem mais de 13 milhões de seguidores em sua página oficial [uma das cantoras mais seguidas no mundo]. São mais de 20 anos de carreira e 7 milhões de discos vendidos, já variou entre produções nacionais, internacionais e até infantil. Quem não se lembra da música “Consagração” do seu primeiro álbumSem Limites, em 1994? Com tanta bagagem, Aline não faltaria nessa lista.

Podemos ainda citar os populares Thalles Roberto, Ana Paula Valadão [Diante do Trono], André Valadão, Paulo César Baruk entre outras tantas vozes que alcançam um número enorme de ouvintes em todo o Brasil.

Shirley Carvalhaes

Outro dia uma senhora me parou e me perguntou: “você conhece Shirley Carvalhaes?” Uma das pioneiras da música cristã brasileira, ela fez muito sucesso nos anos 80 e 90 nos toca-fitas dos rádios de nossos pais. São cerca de 40 anos de carreira, mais de 30 discos gravados e incontáveis vendidos [estimasse entre 15 e 20 milhões]. Com uma voz marcante, forte; um de seus grandes sucessos foi “De coração para coração”, ainda em 1993.

Ainda revirando o baú, podemos lembrar de Matos Nascimento, Rose Nascimento, Oséias de Paula, Álvaro Tito. Todos donos de vozes que marcaram a história de nossa música cristã.

QUE TAL OUVIR UMA VOZ NOVA?

Poderíamos dar aqui uma lista infinitas de nomes. Na verdade nosso objetivo aqui não é ter a audácia de escolhermos uma voz, mas celebrar tantas vozes boas que temos.

A Elines Gomes, 20 anos, é envolvida com música cristã desde de que nasceu. Hoje,  é Ministra de Louvor na Igreja Batista Missão e Vida e estuda Ministério Musical no Instituto Canzion e considera a voz de Fellipe Valente sua preferida do momento. “Acho que a voz dele [Fellipe Valente] tem um timbre bem brasileiro. Me lembra Bossa Nova, MPB. Consegue variar suavidade e agressividade no tempo certo.”

Dentro dessa linha de nomes não tão conhecido da massa, podemos indicar:  Lorena Chaves, Paulo Nazareth [Crombie], Laura Souguellis, Marcela TaísMarcus Almeida [Palavra Antiga], Daniela Otero [Ministério ZOE], e tantos outros que fazem a diferença proporcionando estilos novos e cheios de qualidade.

Texto por: Felipe Nascimento

Matéria completa em: O Guia Cristão

8 razões pelas quais o perdão faz bem para a saúde

tumblr_mud19bTNCZ1sq85voo1_500[1]

Recentemente a Revista Galileu publicou em seu site um lista motivos que indicam  que perdão faz bem à saúde, citando uma série de estudos.

Um número cada vez maior de pesquisas indica que o perdão, longe de ser um gesto de pouca importância, proporciona uma série de benefícios à saúde. Qualquer pessoa pode se tornar mais indulgente através de hábitos como desenvolver a empatia, focar no lado bom das coisas e expressar melhor os próprios sentimentos. Confira abaixo todos os benefícios mentais e físicos de aprender a perdoar:

1 – Perdoar incondicionalmente pode fazer você viver mais: Um estudo de 2011 do Journal of Behavioral Medicine mostrou que pessoas que praticam o perdão condicional, ou seja, aquelas que só são capazes de perdoar caso a outra parte peça desculpas ou prometa não repetir a ofensa, têm propensão a morrer mais cedo do que os que perdoam incondicionalmente. Os pesquisadores explicaram que o pedido de desculpas pode ajudar a dar um “arranque” no processo – mas se for indispensável, as chances para um perdão verdadeiro diminuem muito. “Aqueles que causam uma ofensa nem sempre vão satisfazer tais condições, e a parte ofendida não tem o poder de fazer com que ocorram”, escreveram.

2 – Perdoar te deixa menos nervoso: Estar cronicamente nervoso causa efeitos na pressão arterial e no batimento cardíaco, enquanto perdoar de verdade pode levar a uma redução no stress e, portanto, a conter o nervosismo. “Existe um enorme fardo físico em estar machucado e desapontado”, disse a doutora Karen Swartz em um comunicadodo Hospital Johns Hopkins. Persistir no ressentimento, além de aumentar a irritação, também provoca tristeza e sentimentos de perda de controle, segundo um estudo de 2001 do jornal Psychological Science. Ficar preso ao rancor causa aumento em atividades fisiológicas como tensão dos músculos da face, batimento cardíaco, pressão arterial e suor, de acordo com o site WebMD.

3 – Melhora a sua saúde em todos os sentidos (até o sono!): Perdoar alguém é um verdadeiro remédio que atua em instâncias que vão desde a qualidade do sono até a fadiga, reduzindo sentimentos e patologias prejudiciais à saúde como a tensão, raiva e depressão. Pesquisadores da Universidade do Tennessee descobriram que a “limpeza” destas emoções negativas desempenha um papel importante para a manutenção do bem-estar. “A vítima renuncia às ideias de vingança, e se sente menos hostil, irritada ou chateada a respeito das experiências”, escreveram no artigo.

4 – Fazer as pazes te ajuda a perdoar a si próprio: Quando quem fez algo errado foi você, ser absolvido pela pessoa que você magoou ajuda substancialmente no processo de autoperdão, descobriram pesquisadores da Universidade Baylor. Em um estudo publicado no Journal of Positive Psychology, eles descobriram que quem pede perdão por um agravo tem maiores chances de perdoar a si mesmo. “Uma barreira que as pessoas enfrentam para perdoarem a si próprias é que elas pensam que merecem se sentir mal. Nosso estudo descobriu que fazer as pazes nos dá permissão para deixar as coisas passarem”, disse em um comunicado Thomas Carpenter, um dos autores do artigo.

5 – Seu coração agradece: O principal motivo é que a prática da indulgência se mostrou capaz de diminuir a pressão arterial em diversas pesquisas. Em 2011, um estudopublicado no jornal Personal Relationships mostrou que quando uma pessoa perdoa a outra, ambas apresentam redução na pressão arterial. De acordo com os autores, a pesquisa foi a primeira a provar que os “culpados” também são agraciados com um funcionamento fisiológico positivo: quanto mais conciliador for o comportamento da vítima, maior será a queda na pressão dos perpetradores.

6 – Pode trazer benefícios ao sistema imunológico: Uma pesquisa apresentada em um encontro de 2011 da Sociedade de Medicina Comportamental dos EUA descobriu que portadores do vírus HIV que perdoavam de verdade alguém que os havia magoado apresentavam um maior nível de células CD4, consideradas positivas para o sistema imunológico. “Os resultados comprovam nossas hipóteses e refletem descobertas anteriores sobre as relações entre fatores psicossociais com marcadores imunológicos em pessoas vivendo com HIV/AIDS, e as descobertas indicam que o perdão a outra pessoa pode trazer benefícios à saúde delas”, disse a pesquisadora Amy Owen, do Centro Médico da Universidade Duke.

7 – Pode fortalecer seu relacionamento depois de uma traição: Perdoar o parceiro ou parceira após uma traição pode ser a chave para salvar ou até fortalecer o seu relacionamento, diz um estudo publicado pela American Psychological Association. Os pesquisadores da Universidade de Missouri-Kansas City mostraram que, nestes casos, o perdão facilitou e muito o processo de recuperação do trauma da infidelidade, garantindo mais satisfação na relação e mais comprometimento mútuo.

8 – Quem perdoa pode se proteger do stress a longo prazo: Possuir a habilidade de perdoar prediz uma saúde positiva tanto mental quanto física, de acordo com um estudo publicado este ano no Journal of Health Psychology. Os pesquisadores também notaram que a indulgência parece proteger contra os efeitos negativos do stress na saúde mental. “Nós descobrimos que a severidade do stress não estava relacionada com a saúde mental para pessoas que eram boas em perdoar, estava significativamente associada com uma saúde mental pior para pessoas que exibem níveis moderados de perdão, e mais fortemente relacionada com uma saúde mental pior para participantes exibindo os níveis mais baixos de capacidade de perdoar”, escreveram.

Por: Felipe Nascimento (O Guia Cristão)

Via: Revista Galileu

Parceria

Hoje o Rotineiras ganhou sua primeira parceria.

É com grande satisfação que apresento à você, leitor o Guia Cristão; um blog que tem como objetivo encaminhar os leitores à passeios culturais, novidades do gospel e muitas outras dicas sobre o mundo cristão.

Assim como o Rotineiras, O Guia Cristão também mostra situações do cotidiano, dicas, opiniões, aborda assuntos comuns em nossas rotinas, porém de uma forma muito peculiar.

E foi unindo esses mesmos propósitos que surgiu minha parceria com o Felipe Nascimento, também estudante de jornalismo e fiel ao trabalho digital.

A partir de hoje, você que já é leitor do Rotineiras vai encontrar por aqui algumas postagens feitas pelo Felipe Nascimento, assim como “pontes” que te levarão ao Guia Cristão, como o novo link PARCERIA, adicionado ao menu. E você que já era leitor do Guia Cristão, seja bem-vindo ao Rotineiras!

Tudo isso, para finalizar o ano bem, e começar 2015 com novidades e progresso!

Feliz 2015, Feliz mudanças!

— Jayane Condulo.